Projeto leva saneamento ecológico a escolas


Nosso projeto no Caputera foi tema de reportagem do Jornal Primeiro Notícias. Confira integra abaixo ou o original no site : http://primeironoticias.com.br/projeto-plantando-jardim-filtrante-e-agua-boa-incentiva-despoluicao-dos-rios-em-comunidades/

Projeto “Plantando Jardim Filtrante e Água Boa” incentiva a despoluição dos rios em comunidades

Em fase inicial, o programa passa por conscientização em escolas e unidades de Saúde

O bairro do Caputera, localizado entre os municípios Embu das Artes, Cotia e Itapecerica da Serra, na Região Metropolitana de São Paulo, recebe neste mês de outubro o projeto “Plantando Jardim Filtrante e Água Boa”, realizado pela Sociedade Ecológica Amigos de Embu (SEAE) para empoderar a comunidade local sobre como tratar corretamente o esgoto, mesmo na ausência dos serviços de coleta do governo.

O evento, que teve início no dia 16, vai até o próximo dia 24 e, nesta primeira fase, participam cerca de 350 alunos e professores, do sexto ao nono ano, da Escola Municipal do Caputera.

O público é introduzido ao tema com uma apresentação sobre os rios e nascentes da comunidade, causas de poluição, consequências para a saúde e soluções possíveis.

Em seguida, é conduzido à atividade cooperativa “Jogo das Calhas, Caminho das Águas”, onde aprendem brincando a diferenciar a água cinza (pias e chuveiro), preta (vaso sanitário) e pluvial (chuva), suas corretas destinações, bem como a importância de a comunidade atuar unida para alcançar o objetivo de despoluir seus rios e córregos. No encerramento, ocorre uma discussão e reflexão sobre o tema aplicado à realidade da comunidade.

O “Jogo das Calhas, Caminho das Águas”, consiste em conduzir bolinhas de cores cinza, preta e azul (que representam as diferentes águas) por calhas, até caixas que são maquetes de fossa ecológica, cisterna e natureza.

Para o diretor Odércio José, a ação na escola é positiva para toda a comunidade: “o projeto foi acolhido prontamente pela gestão e professores, tendo em vista a preocupação com a melhoria da qualidade de vida e a preservação dos meios. Os alunos envolveram-se no desenvolvimento do tema assim como as atividades. Seguramente estamos no caminho certo, debater com os jovens e conscientizar a comunidade no engajamento nessa batalha de cuidar do meio ambiente”, comenta.

Etapas e propostas do projeto

“Plantando Jardim Filtrante e Água Boa” nasceu com a missão de difundir técnicas de saneamento ecológico unifamiliar gratuitamente.

Para cumprir esse objetivo, pretende: conscientizar a população por intermédio das escolas, unidades de saúde e assistências sociais; instalar o tratamento de esgoto por jardins filtrante em três residências, para servir de modelos para a comunidade; realizar três cursos práticos para a capacitação e formação de 60 instaladores de saneamento ecológico; e publicar cartilha com instruções para que qualquer pessoa interessada possa fazer a instalação em casa.

O bairro Caputera foi um dos escolhidos por não ter serviço de coleta e tratamento de esgoto e por fazer parte da Bacia da Guarapiranga. Na região, o Ribeirão da Ressaca é um importante rio que deságua no Embu-Mirim. Este, por sua vez, fornece 33% de toda a água da Represa Guarapiranga, que abastece cerca de cinco milhões de pessoas da Região Metropolitana de São Paulo.

O tratamento por jardins filtrantes (também chamados de Zona de Raízes ou Wetlands) propõe a utilização de uma fossa séptica, onde bactérias se alimentam dos resíduos sólidos; e dois tanques com brita, semelhantes a um filtro com plantas (no caso macrófitas) que possuem raízes com alto poder de remoção das impurezas restantes. Enquanto a planta realiza sua função, ela se alimenta e se fortalece contra doenças e pragas. O resultado é um jardim bonito, sem odor ou insetos, e um efluente limpo que volta para a natureza sem poluir.

Sua arquitetura é uma importante modalidade de “Solução baseada na Natureza” (SbN), que são instalações que reproduzem o comportamento inteligente do ambiente natural para resolver determinadas questões urbanas, sem impactos negativos. É de baixo custo, tem padrão de eficiência aceito pela legislação e pode atender as pessoas da comunidade.

O projeto é realizado pela SEAE e conta com recursos do programa Casa Cidades, do Fundo Socioambiental Casa.

Infraverde ganha prêmio Startup ABES Fenasan


A edição 2017 da feira ABES Fenasan 2017 trouxe uma inovação, um espaço exclusivo para a seleção e premiação de ideias aplicáveis no saneamento ambiental e meio ambiente. Profissionais, especialistas em tecnologia e inovação e visitantes da feira conferiram as palestras e assistiram às apresentações dos competidores.

A Infraverde concorria com outros 8 projetos pré selecionados e apresentou o tema “Centro Virtual de Formação de Instalação de Saneamento Básico”. Fomos contemplados como terceiro melhor proposta.

Também foram realizadas palestras por especialistas das empresas  e instituições parceiras como FIAP (Renê Oliveira), ANPEI (Ricardo Magnani) e Cimcorp (Renato Kiyama).

Veja abaixo as três ideias premiadas:

1º lugar
WETLANDS CONSTRUÍDOS
André Baxter Barreto
Tratamento Natural de Águas, Efluentes e Lodos

2º lugar
BRCLORO
Matheus Oliveira Pigatto Azevedo
Dosador de Cloro Automático para Residências

3º lugar
INFRAVERDE
Rodolfo Vieira Nunes de Almeida
Centro Virtual de Formação de Instalação de Saneamento Básico

CONGRESSO ABES FENASAN trata-se de uma realização conjunta das duas entidades de
maior representatividade técnica em saneamento no País: a ABES (Associação Brasileira de
Engenharia Sanitária e Ambiental) e a AESABESP (Associação dos Engenheiros da Sabesp).
Em uma edição única e exclusiva, em São Paulo – SP, serão reunidos os três eventos mais
tradicionais do setor: o 29º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental, da
ABES, o 28º Encontro Técnico AESabesp e a 28ª Feira Nacional de Saneamento e Meio
Ambiente – FENASAN. Juntos, constituirão a maior realização de cunho técnico e
mercadológico, em saneamento ambiental e meio ambiente, já realizado no continente
americano.